quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

COSETTE - PARTE 1

Busto 1/10
Cosette é a personagem central do romance de Victor Hugo, "Os Miseráveis".
A gravura que perpetuou a sua imagem é a de Emil Bayard. 
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Cosette is the main character of the novel by Victor Hugo, "Les Miserables".
The print that perpetuated the image of the frail Cosette is the one by Emil Bayard.
Procuro manter o aspecto monocromático do desenho, usando um tom sépia.
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
I'm trying to keep the monochromatic aspect of the image as it became famous.










segunda-feira, 30 de novembro de 2015

NEBULUS 4 ANNUAL RACE / VIGNETTE 1/35 / PART 1

Num planeta distante decorre a tão antecipada Corrida Anual, uma prova de endurance em que vale tudo.
Dois concorrentes atravessam um regato. A corrida realiza-se em território inóspito, a pista está marcada por balizas.
A minha encenação não é muito original, fui buscar inspiração para o cenário a um dos filmes da saga Star Wars. Tenciono praticar a sensação de movimento. A mota azul dá um salto, o rasto de poeira esconde uma haste de arame. A mota vermelha passa pelo regato, formando duas ondas.
A base é uma vitrina em plástico e acetato. É uma boa opção para proteger os modelos, estou sem espaço nas vitrinas. Usei a base da vitrine como a base da vinheta.  A acabamento é feito com cartão negro, as juntas betumadas.
As motas e figuras são velhos kits de uma cottage industry há muito desaparecida, Junk Tank Rock. As balizas são as pás de um rotor de um helicóptero em 1/72. A rocha esculpida foi feita com um pedaço de Milliput que sobrou de um outro trabalho.
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
In a distant planet the Annual Endurance Race. There are no rules but to follow the trail marked by poles.
Two riders corss a creek. One jumps over, trying to bypass the one that went throughr the creek.
The stagging is not that original, I recalled the scenery of one the Star Wars Saga.
I'm looking for learning how to give the feeling of motion. The blue bike is held on the air with a rod hidden by the trail od dust. The red bike generates water splashes.

Let's see how I come up with them.  











terça-feira, 22 de setembro de 2015

LOST / PERDIDA



VINHETA 1/20 / VIGNETTE 1/20


Katie, uma exploradora tem um acidente num planeta recém-descoberto. Auxílio está demasiado distante para a socorrer a tempo.
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
Katie a space explorer had an acident on a newly discovered planet and help is too far away to rescue her on time

Usei o kit da MA.K. "New Rally Pawn"para criar uma versão civil um fato adequado à exploração de um planeta mal conhecido. Susbstituí as extremidades dos braços, removendo a arma do braço esquerdo e a garra do esquerdo por duas mãos mecânicas da Bandai, do kit de superdetalhagem MS HANDS 02
I used the MA.AK. KIT New Rally Pawn to build a civilian space sut adequate to explore a planet not yet explored.. Replaced the arms extremeties, the weapon on the left arm and the claw on the right by tu mechanical hands form the superdetailing set MSHAND 02 of Bandai in 1/144. 
 New rally Pawn kit

MS HAND 02 BANDAI 1/144
 

A cena indicia os últimos dias de Katie, fazendo tudo o que lhe ocorreu para prolongar a sua sobrevivência, fazendo modificações ao LSP (Life System Pod) que a acompanhava na fatídica jornada. Este veículo tem como base um kit gundam, RB-79 Ball, com ligeiras modificações. Não montei os braços mecânicos nem o cómico canhão no topo da calota, que deixei aberta para instalar antenas de longo alcance.
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
 The scene indiciates how were the last days of Katie, doing everything she could think of to extend her survival, modifying the LSP (Life System Pod) that accompanied her in thei fatidic journey.
For the LSP I used a gundam kit, the RB-79 BALL with minor modifications, mainly, omiting some parts of the kit.


RB75 -BALL finished as designed / montado como previsto no kit





A cena tem uma composição simples. A exploradora semi-enterrada na areia, encotada a um rochedo, o pod ao lado. Os volumes na cena são baixos, tentei equilibrar com elementos veriticais o rochedo e em especial as antenas.
//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
The scene composition is very simple. the explorer half buried in the sand leaning against a rock outcrop and the pod on her side. To balance the low volumes I raised the rock and even more the antennae.
 


A minha maior dificuldade em tornar credível esta cena foi a fase de pintura de envelhecimento. Daqui a uns séculos, decerto aço será coisa do passado, um material low-tec usado apenas para produtos com baixa performance. Outras ligas metálicas ou não metálicas existirão. Considerei que o escafandro de Katie seria feito com cerâmica preta refractária (imagine-se o desenvolvimento dos actuais tijolos refractários do space shutlle), algumas partes em fibra de carbono (que conhecemos na cor negra), e outras fibras que nem sequer sonhamos. O capacete é numa fibra vermelha. Como reproduzir desgaste em materiais pouco conhecidos ou que nem sequer existem quando as referencias culturais que temos são os materiais de hoje? Esta é uma pergunta que muitos modelistas fazem e poucos conseguem dar resposta. Eu sinto que não consegui dar resposta. A peça do tronco do escafandro deveria ser em cerâmica negra, com um primário cinzento e depois com a pintura final, que variará de acordo com o ambiente da missão. Tanto parece um desgaste, mostrando várias camadas de tinta como uma estranha camuflagem. Não consegui tornar óbvia a minha intenção.
Talvez tenha conseguido melhor desempenho no LSP (Life System Pod) onde usei cores metálicas para representar novas ligas.
Espero ter aprendido algo com este projecto e fazer melhor no próximo. nem que seja deixar de pensar tanto e optar por uma paleta de cores com as quais nos possamos relacionar melhor....
///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
The biggest dificulty in making a scene beliavable is the weathering. Within a couple of centuries certainly steel will be a thing of the past, a low-tec material used only for products not requiring high performance. Ohter metalic and non metalic alloys will exist. I "made" Katie's torso suit of black ceramic (a further development of the nowadays space shuttle bricks), some parts in carbon fibre and others, like the helmet in a new kind of synthetic fiber (some red stuff...).
How to reproduce wear in materials hardly known or non existing? This is a question many modellers pose and few find the correct answer. I didn't managed to find the answer. The suit torso depicts black, grey and white. My purpose was to show wear on the black ceramic exposing the grey primer and the final coating painted for each mission, according to the environment. It isn't clear if it is so or just some funky whithe, black and grey camouflage.
I might have succeeded with the painting of the pod where I used metalic colours representing new alloys.  
Hope I learned something in the process and do better next time. One of the options is to stop rationalising so much and go for a palette of colours that we can relate to...